Reação internacional ao Brexit

A decisão dos eleitores britânicos na sexta-feira, 24 de junho, de deixar a União Europeia, foi uma das principais pautas de diferentes jornais no mundo inteiro. Os desdobramentos da notícia geraram uma série de discussões acerca das consequências da saída do Reino Unido, repercutindo em influentes jornais como os britânicos The Guardian e Mirror.

certo.png

Imagem 1 - 31% das matérias sobre o Brexit foram do jornal Mirror

Grande repercussão  

A divisão de argumentos favoráveis e contrários a separação teve boa parte da atenção midiática, levando a um pico de 668 publicações sobre o assunto entre os dias 23 e 25 de junho. De um lado, os pró Brexit, com a alegação de maior controle econômico, legislativo e do fluxo migratório. Do outro, a grande maioria dos jovens, que votaram contra a separação, questionando a possível restrição da liberdade profissional e os prejuízos para estudantes e classes mais pobres da população.

gráfico2.png

Imagem 2 - O gráfico apresenta o total de publicações de acordo com a data

Além disso, nomes como David Cameron e Nigel Farage foram alvo de muitas matérias, devido as suas posições políticas e o futuro de suas carreiras. O Primeiro Ministro foi favorável a permanência, enquanto o líder do partido UKIP comemorou a saída da UE.

nomes.png

Imagem 3 - Entidades mais faladas de acordo com o monitoramento das mídias sociais

Diferentes preocupações ao redor do mundo

Entender como as notícias circulam nos principais jornais do mundo é fundamental para estar por dentro não apenas de todos os destaques da mídia internacional, mas também da dinâmica de como os assuntos são abordados.

Veículos como a BBC News, por exemplo, retrataram a saída do Reino Unido como um “histórico divórcio” com a União Europeia, pois foi o primeiro Estado-membro a deixar a parceria dos 28 países europeus.

Comparando dados

França

franca.png

China

china_nuvem.jpg

Observando as nuvens de palavras da França e China, podemos destacar os tópicos que mais refletiram na mídia de cada país sobre a saída do Reino Unido. Na França, temos palavras como historic (histórico), racism (racismo), crisis (crise), murder (assassinato) e conflict (conflito) que são referentes as questões políticas, xenofóbicas, as consequências geradas pela separação e a apreensão sobre um possível efeito dominó entre os outros membros da UE.  Além das pautas sobre o assassinato da parlamentar britânica Jo Cox, que ocorreu no dia 16 de junho, pelo escocês de extrema direita, Tommy Mair, 52 anos.

Na China, os termos mais relevantes foram palavras como investment (investimento), banks (bancos), effects (efeitos), financing (financiamento) e impact (impacto), que refletiram a preocupação com os impactos da separação britânica para a economia na Ásia, com especulações sobre o futuro dos mercados e uma análise sobre os efeitos positivos e negativos dessa decisão.

Se inscreva na nossa newsletter