Eleições presidenciais mexicanas e os Bots

Em nosso último post falamos sobre como diferenciar um perfil falso de um perfil humano no Twitter, já falamos aqui também sobre como os bots podem influenciar o resultado de uma eleição ao espalhar fake news ou aumentar o número de seguidores de determinado candidato ao pleito em redes sociais como à acima citada. Em nosso blog também já usamos como exemplo o que aconteceu nas eleições americana de 2016, o que pode ser lido aqui.

Como ocorrido nos Estados Unidos, as eleições Mexicanas de 2018 também foram marcadas pelo uso massivo de Bots no período eleitoral. Lembrando que os sociais bots não são uma novidade, eles agem de forma a afetar, negativamente ou positivamente, o debate político democrático e por conseguinte a opinião pública e o rumo do resultado eleitoral. Divulgam conteúdo que altera a percepção do público sobre problemas importantes e a reputação de uma entidade, como um candidato, corporação ou campanha.

A análise

Em fevereiro de 2017, começou a ser feita uma pesquisa nos Estados Unidos,  com a coleta de conversas (tweets e respostas a esses) no twitter sobre as eleições mexicanas em andamento. Para investigar possíveis interferências desses perfis falsos sobre os eleitores, utilizaram o método de investigação introduzido pelo New York Times investigation, e ordenaram 100.000 seguidores aleatórios dos candidatos de acordo com data de criação do perfil, selecionando os mais recentes. Geraram então pontuações (escala para determinar se era Bot ou não) para cada conta da amostra.

Constatações

Ao todo foram verificadas mais de 1 milhão de contas (as que seguiam os candidatos e as que tinham uma participação relevante nas discussões políticas) na rede social e mais de 3.5M tweets desde Maio de 2018. Concluiu-se que os bots foram responsáveis por uma significativa porção dos conteúdos gerados: 53% das contas inspecionadas eram falsas. E ainda, cada um dos candidato possuía um grande número de seguidores bots, variando entre 45% e 70% do todo. Os tweets compartilhados tanto por perfis humanos quanto por perfis falsos pelo menos mais de 100 vezes, também foram analisados para que fosse possível mensurar a participação de cada um desses dois tipos no compartilhamento dessas mensagens. Como resultado tem-se vários tweets anômalos promovidos pelos Bots, sendo cada um destes tweets partilhados cerca de 1.000 vezes. (Veja a figura abaixo)

O título do gráfico de dispersão acima é “Atividade dos Bots no Twitter”, em seu eixo X (vertical) temos a fração dos Bots (quantidade), no eixo Y (horizontal) a contagem do número de compartilhamentos de postagens. E por fim, em vermelho, temos a indicação para o “grupo anômalo”, ou seja, que reproduz um comportamento diferente das demais, de acordo com categorias comportamentais estabelecidas no decorrer da pesquisa. Veja como fica escura exatamente essa área do mapa, o que demonstra a grande quantidade desses tweets.

López Obrador

No geral todos os candidatos foram seguidos por bots desde a criação de seus perfis. Contas humanas seguem candidatos no início de suas carreiras e quando anunciam sua candidatura. Uma exceção ao acima exposto foi o candidato López Obrador, que inicia sua candidatura com seguidores humanos, mas depois atrai principalmente seguidores bots. Obrador era apontado como franco favorito ao pleito, e foi observada atividades de Bots em sua rede já no início de 2017,  quando uma rede de destes foi ativada para apoiar o candidato líder. Concorriam com ele à presidência: Ricardo Anaya, Antonio Meade e Jaime Rodriguez, e segundo a pesquisa as contas classificadas como humanas tweetaram pró-Ricardo Anaya e contra López Obrador e as classificadas como bots tuitaram pró-PRI (Partido Revolucionário Institucional, do qual López faz parte).

Ao final da eleição Obrador foi o vencedor com 53% dos votos, uma maioria esmagadora para uma eleição que tem por característica a votação sendo ganha por maioria simples no primeiro turno. Justamente o candidato mais apoiado pelos Bots, como acima descrito, foi o grande ganhador, ao leitor fica o grande questionamento: foram os Bots decisivos na disputa eleitoral? O que podemos afirmar é que seu poder não pode ser negligenciado.

Fique ligado aqui no blog da Twist para mais textos como esse.

Se inscreva na nossa newsletter