Tecnologia em prol de Brumadinho/MG

Amanhã, sexta-feira dia 1 de Fevereiro, completa exatamente uma semana do rompimento da barragem do Feijão em Brumadinho, região Metropolitana de Belo Horizonte. Neste artigo vamos ver como a Ciência de Dados e a tecnologia estão ajudando no processo de salvamento e recuperação dos cidadãos e da cidade. 

Startups

Após o acontecido empresas de tecnologia e entidades do governo associadas ao setor estão recrutando empreendedores inovadores, integrantes de startups para ajudar Brumadinho. Essas podem e deverão ajudar em mapeamento do solo, buscas de vítimas e dos desaparecidos, logística de acesso, evacuação e transporte de produtos e também no fornecimento de soluções de saúde para os sobreviventes. Todo o sistema de captação dessa forma de ajuda é informatizada, há um grupo chamado Brumadinho Task Force, Task Force é um grupo de empreendedores voluntários de Belo Horizonte, eles criaram uma ação via redes sociais para que empresas e startups que tenham soluções tecnológicas se cadastrem para ajudar nas busca das vítimas, o cadastro deve ser feito via formulário do Google.

As startups devem preenchê-los com os dados de seus empreendedores e funcionários, com a área de atuação de seus negócios e competências pessoais. Depois, os participantes poderão participar de grupos no aplicativo de mensagens WhatsApp em ramos como gerenciamento de projetos (para organizar equipes); drones e balões de monitoramento; mapeamento por satélite e fotografias de grande espectro; inteligência artificial, análise de dados, processamento e supercomputadores; médicos, enfermeiros, epidemiologistas e soluções em saúde.

A startup Geoinova, por exemplo, disponibilizou suas soluções de inteligência de dados com base em tecnologia de geolocalização, fazendo então um comparativo de imagens de satélite entre os dias anteriores e posteriores ao desastre. A startup também está criando um mapa de calor com informações de geolocalização, que deve estar disponível até dia 29 de janeiro.

Outro exemplo de força tarefa

As startups SPACE e a Birmind se uniram para trabalhar juntas em um algoritmo que calcula o deslocamento das vítimas com base na última posição do GPS do celular delas antes do rompimento da barragem de Brumadinho. Eles criaram uma primeira versão de uma ferramenta para colocar latitude e longitude dos desaparecidos e, com base no fluxo de rejeitos, estimar a possível localização da pessoa. Informações como os dados físico-químicos do rejeito e mapa topográfico do local ainda podem prover melhorias, tornando mais acurada a simulação do deslocamento.

 

A Twist acredita na ideia e no potencial das startups para ajudar Brumadinho e por isso resolveu divulgar essas ações. Damos todo o apoio a iniciativas como essa. Continuem ligados aqui no Blog para mais informações sobre a ciência de dados. 

Se inscreva na nossa newsletter