Ciência de Dados e saúde: por que dados médicos não devem tolerar erros

A integração da tecnologia às atividades humanas já é uma realidade. Cada vez mais empresas e organizações estão se articulando à digitalização para melhorar e agilizar processos. Se adaptar às ferramentas do universo digital tem se tornado cada vez mais importante, e um dos principais setores que precisa valorizá-las hoje é o da saúde. Hospitais e clínicas são ambientes muito dinâmicos, que demandam correções e mudanças o tempo inteiro, e que não podem esperar muito por elas. São instituições que prezam pela inovação, tanto para o benefício das populações quanto para a sustentabilidade das empresas.

Formulários, históricos médicos, informações pessoais, sensores, transações, sistemas de inteligência… Utilizar qualquer uma destas ferramentas gera dados. O armazenamento e o uso de dados estão presentes em diversas funcionalidades do dia-a-dia, e possibilitam análises extremamente úteis. Análises como a vigilância epidemiológica de uma determinada área, a medição da eficiência de atendimentos, o conhecimento estatístico do estado de saúde da comunidade atendida, além da otimização do uso de recursos a partir de padrões encontrados nos perfis dos pacientes. O aproveitamento das informações adquiridas é uma oportunidade de gerir melhor os recursos e avançar em sustentabilidade.

A inteligência artificial, ferramenta usada para basear tomadas de decisão a partir de dados, já está se tornando uma grande aliada, não só na melhoria da qualidade de serviços médicos, mas também no sensoriamento de epidemias, na prevenção de infecções hospitalares, na automatização de diagnósticos por imagem, entre outros. E como os usos desses recursos só se amplificam, é fundamental que as organizações conheçam a qualidade dos seus dados.

Os sistemas de informação são, muitas vezes, a única fonte de dados neste setor e, como serviços médicos dependem do contato interpessoal, é um material que está sujeito a erros e incompletudes. Falhas são comuns, considerando que estes dados são produzidos com interferência humana, mas precisam ser identificadas e corrigidas. Quando os dados coletados por uma organização não estão completos, padronizados ou corretos, eles perdem grande parte de sua utilidade e de seu valor. Na área da saúde, que é a que permite que a sociedade melhore em qualidade de vida, inutilizar esse material é perder uma oportunidade enorme de avançar junto com a tecnologia.  

Além de afetar a sustentabilidade das instituições, o não aproveitamento desses dados também pode prejudicar pacientes, servidores e a eficiência do atendimento. Como esta área lida diretamente com pessoas, a importância da qualificação da informação é crítica, não só para que os dados sejam usados no próprio cuidado ao paciente, mas também para monitorar os serviços e os profissionais. Vale pontuar que mitigar erros em procedimentos de saúde pode significar salvar vidas.

Descobrir quais são os principais pontos de atenção em suas bases de dados (e assim saber se a informação está qualificada ou não) é o primeiro passo para começar a utilizá-las como ferramenta e, com base nisso, tomar melhores decisões. Os principais fatores observados pelas análises de qualidade de dados da Twist envolvem acurácia sintática e semântica, duplicidade, completude, consistência e conformidade de produto.  Confiabilidade é indispensável para que esse material possa ser utilizado como ferramenta útil na implementação de mudanças, seja a partir de análises estatísticas ou de caracterização de dados. Existem vários fatores que determinam a qualidade da informação, como acurácia, precisão, coerência, rastreabilidade, completude ou consistência. E todos eles podem ser mensurados de maneira objetiva. É a partir do conhecimento desta qualidade que hospitais, clínicas, planos e servidores da área podem basear racionalmente suas decisões, aumentando a confiança nos processos e a reputação frente aos clientes.

Qualidade de dados é um tema recorrente no nosso blog. Caso queira se aprofundar, você pode encontrá-lo em outros posts também, como este aqui. Para saber mais sobre como levar esse conhecimento para dentro da sua empresa, fale com a gente!

Se inscreva na nossa newsletter