Novos desafios: eventos, monitoramento e segurança

Realizar um evento de grande porte necessariamente implica o estabelecimento e o reforço de uma série de novos fluxos, além da circulação em massa de pessoas, mercadorias e tecnologias. Essa movimentação gera dados em volume exponencial, especialmente na era da tecnologia. O uso de dados se tornou uma ferramenta importante na tomada de melhores decisões para qualquer evento, seja para estratégias logísticas ou de divulgação. Em relação aos impactos de um grande evento, como a chegada de imigrantes, novos locais sendo ocupados em maior volume temporariamente e a locomoção constante de não-moradores em uma região, recursos como estatística e inteligência artificial podem se tornar grandes aliados em gestão.

Medir a repercussão em tempo real, acompanhar as reações do público e tomar decisões logísticas baseadas em dados são algumas das coisas que podem ser feitas a partir do monitoramento. Neste post, mostramos algumas reflexões interessantes tiradas de análises de eventos feitas previamente aqui no blog da Twist. Além disso, comentamos um pouco sobre os novos desafios da segurança para grandes eventos. Acompanhe a seguir:

 

Carnaval

Em 2017, escrevemos um post sobre como tinha sido a repercussão do Carnaval nas redes. Foram mais de 3,5 milhões de menções à festa, só no Twitter, e mais de 5 mil notícias divulgadas em portais. Com o uso do Twist Discover, identificamos que a escola de samba campeã em citações no Twitter, por exemplo, foi a Grande Rio, que perdeu a votação final do desfile para a Portela. A Portela, apesar de ter sido a campeã do ano, foi apenas a quinta escola mais mencionada na rede social. Essa foi uma demonstração importante de que não são necessariamente os resultados formais que definem quem repercute mais nas redes.

A ferramenta também nos revelou que as celebridades que mais se destacaram durante a festa foram Ivete Sangalo e Claudia Leitte, a primeira tendo sido a mais citada em tweets e a segunda a que teve o maior potencial de alcance na rede social. Um fato interessante sobre isso é que Ivete estava diretamente associada à escola mais mencionada no Twitter, a Grande Rio. É possível que uma figura tenha impulsionado a outra, pois a hashtag mais postada em relação à artista foi #IvetedoRioaoRio, que também foi muito utilizada em menções à escola de samba.


Rock In Rio

No mesmo ano, outro evento que balançou a internet foi o Rock In Rio, festival de música que se propõe a unir o que há de melhor na música internacional. Em nosso post sobre o assunto, pudemos observar que este foi um momento em que as pautas dos veículos de notícia convergiam com as falas do público nas redes, ou seja: a divulgação do evento estava sendo feita em tempo real. As notícias produzidas sobre o assunto chegaram facilmente à casa dos milhares e foram mais de 1,3 milhões de tweets sobre o tema, todos analisados com o uso do Twist Discover.

Com a ferramenta, identificamos que a atração que mais se destacou durante o evento, tanto nas notícias quando nas mídias sociais, foi a cantora Lady Gaga. O curioso é que Gaga não esteve presente: seu show foi cancelado de última hora, por motivos de saúde, e substituído por uma apresentação da banda Maroon 5. Apesar da troca ter sido recebida de maneira negativa por grande parte do público, essa aparição inesperada do grupo colaborou para que sua visibilidade nas redes aumentasse. Ao final, foi uma das atrações mais comentadas.

Além disso, essa foi considerada a edição do festival mais politizada até então. Houveram manifestações todos os dias do evento, fato divulgado tanto em redes sociais, com o uso de hashtags, quanto em veículos de informação formais. É interessante observar que, mesmo em período de grandes festivais, os assuntos que estão em voga continuam sendo discutidos, podendo até mesmo crescer em visibilidade graças ao evento. Ainda que seja um festival de música, por exemplo, é inegável que o Rock In Rio tenha se relacionado com a situação política do Brasil em termos de repercussão.

 

#ESpedesocorro

A greve dos policiais militares do Espírito Santo foi um acontecimento de fevereiro de 2017 que paralisou cidades e catalisou uma onda de insegurança na população do estado. O caso da #ESpedesocorro, que também já foi tema de post por aqui, foi uma análise que nos levou a repensar a importância do uso das redes sociais como ferramenta de informação. Segundo o Twist Discover, quando a greve começou, apenas duas notícias sobre o assunto foram publicadas. Ao contrário do que aconteceu Rock In Rio, a mídia tradicional não estava acompanhando os acontecimentos desse evento em tempo real.

Nas redes sociais, entretanto, o movimento já existia e a população estava se informando a partir de redes como o Twitter. Alertas e denúncias eram publicados em formato de tweets durante todos os dias de medo e violência. Só a hashtag #ESpedesocorro teve quase 6 milhões de impressões, de acordo com o Twist Now. Uma das conclusões a que chegamos durante este post foi a de que, hoje em dia, a importância em se manter informado através das redes sociais é crescente. Acompanhar essas mídias é essencial para que qualquer cidadão se considere verdadeiramente atualizado. Afinal, cada vez mais as principais pautas da mídia tradicional estão nascendo na internet. Isso demonstra que as plataformas não se anulam, mas convergem, e que podem se utilizar das características uma da outra para gerarem informação de qualidade.

 

Novos desafios: monitoramento e segurança

Quais são as áreas mais e menos seguras de determinada região? Quais os locais que determinado grupo de viajantes irá se hospedar? Como será o fluxo do trânsito na cidade em dias de grandes concentrações de pessoas? O cruzamento e a análise de dados como esses podem se tornar grandes aliados da segurança em grandes eventos. Os fluxos de uma região podem ser acompanhados em tempo real através de monitoramento, que ajuda a prevenir conflitos, identificar vulnerabilidades e gerenciar os processos de segurança de maneira mais assertiva. O uso de georreferenciamento para identificação de tweets com sentimentos negativos, por exemplo, pode ajudar a confirmar quais as regiões mais propensas a casos de violência dentro de determinada cidade. O monitoramento de redes públicas em mídias como Facebook e Whatsapp também pode ser uma ferramenta usada para identificar imprevistos com mais rapidez, tornando contenções ou alterações logísticas mais eficientes.

Como cada evento possui suas especificidades, é necessário observar os dados para definir quais serão as melhores estratégias. Durante a Jornada da Juventude de 2013, evento religioso que reúne milhões, grande parte dos viajantes estavam em áreas mais periféricas da cidade do Rio de Janeiro, pois ficaram em lugares como casas de voluntários ou escolas. Já nas Olímpiadas de 2016, grande parte dos turistas se hospedaram em áreas com mais fácil acesso aos eventos. Identificar previamente quando dois momentos vão demandar soluções diferentes é uma maneira de garantir qualidade nas tomadas de decisão.

O uso da inteligência artificial também pode se aliar à prevenção de casos de violência. Identificar, por exemplo, quais são as áreas com menos ocorrências negativas em determinada região, informando ao público quais são consideradas mais seguras para locomoção, é uma maneira de evitar esses casos. Outra é descobrir que termos são mais comumente relacionados a casos de violência na mídia, como o nome de uma determinada torcida ou região da cidade. O que torna a gestão mais eficaz é baseá-la em dados. Em tempos de megaeventos constantes que crescem exponencialmente em tamanho e visibilidade, usar os dados disponíveis a favor da segurança dos participantes e espectadores é uma oportunidade que nenhum acontecimento pode se dar ao luxo de perder.

Para saber mais sobre como usar esse conjunto de tecnologias em eventos ou megaeventos e garantir bons resultados a partir de monitoramento em tempo real, fale com a gente! Continue acompanhando o blog para mais novidades e reflexões a respeito dos usos da ciência de dados.

Se inscreva na nossa newsletter