Transformação Digital: qual é a sua importância no momento atual

Descubra como a digitalização de seu negócio pode trazer melhores resultados a ele

 

Desde que foi decretada pela OMS, a pandemia do Covid-19 tem determinado, direta e indiretamente, novas normas para o funcionamento de empresas e para a manutenção dos regimes de trabalho. A principal delas, em muitos lugares, foi a de que apenas serviços considerados essenciais poderiam continuar com suas atividades presencialmente, ainda que em outro ritmo e seguindo diversas adequações.

Por conta da incerteza mundial quanto a previsões de uma reabertura econômica a curto prazo, as organizações que já haviam passado por um processo de transformação digital saíram em vantagem. Não que ela possa ser simplesmente reduzida à adoção do home office: empresas que não se digitalizaram dificilmente irão conseguir lidar com suas demandas por vias remotas.

Enquanto os setores da comunicação digital e do e-commerce não têm apresentado grandes dificuldades para sobreviverem em meio ao isolamento social, a construção civil e o varejo tradicional estão entre os mais afetados por ele. Isso pode ser explicado pela relutância e dificuldades que essas áreas enfrentaram para se digitalizar. Mas o que exatamente isso significa? Acompanhe conosco:

Por que se digitalizar é importante?

Com a explosão das redes sociais, nunca foi tão importante se pôr em evidência. Cada vez menos pessoas compram ou sequer fazem algo sem que isso seja publicizado por meio de numerosas postagens, colocando diferentes marcas e empresas em exposição. Em troca, esses usuários desejam ser notados e conectados a elas, com rapidez de resposta ― afinal, julgam não ter mais tanto tempo para gastar assim.

Alie isso ao fato de que esses mesmos usuários não estão produzindo um volume gigantesco de dados e informações valiosas apenas através de sua atividade online, mas também por meio de dispositivos conectados à Internet of Things. Pense em seu celular, seu relógio e até em seu carro e os interruptores de sua casa e você vai perceber que parte significativa deles já possui conectividade à internet.

Desse modo, eles geram, a todo momento, informações sobre seus padrões de consumo e comportamento e saem na frente os negócios que já perceberam o valor desses dados. Ou seja, a transformação digital começa e termina nas necessidades do cliente, que recebe um resultado mais confiável e mais rapidamente, além de influenciar as etapas de sua produção, por mais que possa não estar ciente disso.

O que é a transformação digital?

A transformação digital, ao contrário do que muitos tendem a simplificar, não se resume a armazenar tudo o que for possível em nuvem, ou possuir um departamento de TI, que, em muitas das vezes, tem suas operações isoladas do resto da organização. Ela representa toda a reimaginação de operações antigas e a criação de novas possibilidades dentro de uma empresa a partir do uso de novas ferramentas. Dessa forma, não há transição incompleta: com a transformação digital, toda a cadeia produtiva é reestruturada.

Para que ela ocorra, é necessário que os dados da companhia estejam plenamente acessíveis a ela, a fim de que eles possam ser utilizados a qualquer momento, principalmente na tomada de decisões importantes. Uma pesquisa realizada pela agência iProspect, que contou com a participação de mais de 250 profissionais de marketing e empresários de diferentes organizações, espalhados por 35 países ao redor do mundo, mostrou que 78% deles creem que uma boa estratégia de dados conectados é o principal fator para uma transformação digital bem sucedida.

O que se torna ainda mais decisivo, aqui, é a qualidade de dados, quando notas são atribuídas às informações detidas pela empresa, de acordo com a forma pelas quais elas foram coletadas, elaboradas, manipuladas e armazenadas. Essas notas não são aleatórias: elas estão em conformidade com os padrões de organizações internacionais como a ISO ― International Organization for Standardization, ou Organização Internacional de Normatização, em tradução livre.

A utilização cada vez maior de dados, por mais que soe como algo complexo e distante da realidade de boa parte dos negócios, surge para facilitar e descomplicar processos, jamais o contrário. Com bases de dados organizadas e qualificadas, é mais simples ir até a informação que você busca e que será essencial para traçar estratégias de valor.

Com a reestruturação de todos as atividades da empresa, muitos argumentam que, além de um exercício puramente tecnológico, a transformação digital também é uma radical mudança de mentalidade em toda a hierarquia organizacional de uma empresa.

Por mais que todas as funções sejam redesenhadas, o objetivo final de cada uma continua sendo o mesmo. Logo, os funcionários têm de estar capacitados para aprenderem novamente as práticas com as quais já estavam acostumados, pois de nada adiantam investimentos em aparato tecnológico, mas não em treinamento.

Silos de dados

Na agricultura, um silo é um enorme depósito vertical, isolado do resto do plantio, onde são armazenados os produtos provenientes das colheitas, bem como o material utilizado nelas.

Guardadas as devidas proporções, o mesmo pode acontecer em uma empresa de outros ramos. Não os silos agrícolas: aqui, falamos dos silos de dados, repositórios que lidam com um grande volume de informações e que, por ficarem isolados das principais operações da empresa, dificilmente são incorporados a elas. Ainda, em um silo de dados,  dificilmente há uma divisão evidente entre o tipo de um dado e o de outro, sem nenhuma forma clara de organização.

Um negócio alinhado aos preceitos da transformação digital deve evitar ao máximo o isolamento de seus dados, a fim de que eles possam ser sempre conferidos e utilizados estrategicamente. Um silo de dados não só atrasa esses processos, como pode inviabilizá-los por completo. Dos chamados “Vs do Big Data”, que destrinchamos em outra postagem, os silos de dados compreendem uma estrutura de volume e variedade massivos, mas nenhuma velocidade de transmissão.

Um dos objetivos da transformação digital é horizontalizar a gestão dos dados de uma empresa, sem responsabilizar apenas um único departamento por isso, integrando-a por inteiro nesse processo. Se as informações estão acessíveis a todos os funcionários, o tempo que seria gasto pedindo por acesso a elas pode ser aproveitado em tarefas mais produtivas.

 

É possível perceber, portanto, que se digitalizar não deve se restringir apenas a empresas novas e emergentes e vai muito além da mera coordenação de ações em mídias sociais. Empresas conhecidas por seu tradicionalismo têm aderido cada vez mais a novas tecnologias, inovado seus processos internos e contado com a Ciência de Dados para tanto.

Para mais atualizações sobre as tendências do mundo da Ciência de Dados, continue acompanhando nosso blog e assine nossa newsletter! Se você considera que a Twist tem as ferramentas certas para alavancar o processo de transformação digital de seu negócio, fale conosco!

Se inscreva na nossa newsletter